Desmundo: Resenha do filme brasileiro

DESMUNDO

A Situação das Mulheres no Brasil Colonial

FICHA TÉCNICA: DESMUNDO. Direção: Alain Fresnot. Produção: Van Fresnot. Brasil: Columbia Pictures do Brasil, 2003, 1 DVD.

Por volta do ano 1570. Chegam ao Brasil algumas órfãs, enviadas pela rainha de Portugal, com o objetivo de casarem com os primeiros colonizadores. Destaca-se então, uma linda jovem órfã, Oribela, a qual é muito romântica e religiosa e após uma frustrada cerimônia de noivado ela se vê obrigada a se casar com Francisco de Albuquerque, que a leva para seu pequeno engenho de açúcar. Nesta situação a personagem vive uma nova situação, a que ela terá que se adaptar para cumprir seu novo papel de esposa. E neste papel a mulher sofria variadas formas de submissão como, por exemplo, a violência sexual. Assim Oribela desesperada foge, tentado se livrar dessa difícil situação, nesse roteiro desenvolve-se uma grandiosa história de determinação, coragem que vai de encontro a formação e situação do homem colonial.

FICHA TÉCNICA: Priore, Mary Del. Mulheres no Brasil Colonial. São Paulo: Contexto, 2003, 37 páginas.

TEXTO: ACADÊMICO

SITUAÇÃO DAS MULHERES NO MUNDO COLONIAL

O Filme Desmundo, aborda a situação da mulher no Brasil colonial, de uma maneira mais sintética, dando uma imagem, uma identidade a situação da mulher gerando assim emoções e registros de alguns acontecimentos, dos quais analisaremos com base no texto da autora Mary Del Priore, “A situação da mulher no Brasil colônia“. O filme atesta alguns pontos da obra de Mary, como o da preocupação de Portugal e da igreja católica com a formação étnica da colônia, com isso trazia-se para o Brasil jovens portuguesas, judias, pobres e órfãs de variadas idades, as quais eram criadas e educadas por freiras e consequentemente eram completamente despreparadas para o casamento. Dessa forma a igreja e Portugal intermediavam e controlavam os casamentos entre pessoas de sangue “brancos”com a finalidade de conter o nascimento de mestiços, na tentativa de manter uma pureza de sangue, com isso aumentava a possibilidade do Estado manter a ordem pois a população colonial não ficaria comprometida pelo incremento de bastardos e mestiços e a igreja não perderia sua batalha na formação de famílias católicas. O filme “Desmundo” e a obra coincidem também no modelo de homem colonial, mostrando homens que lutaram para se estabelecer na selva e assim foram se tornando mais duros e brutos em prol de sua necessidade, consequentemente não havendo mulheres brancas para todos estes relacionavam se com índias e negras, quase que sempre por meio de estupros e violências físicas. É interessante também perceber que o filme retrata muito bem o cotidiano dos índios que viviam no engenho, mostrando uma índia que conhecia ervas medicinais, índios trabalhando muito no engenho e visitas constantes dos jesuítas ao engenho com a finalidade de tomar crianças indígenas para transformá-las em pequenos cristão. Um ponto importante que faltou no filme, seria uma abordagem da situação da mulher que se prostituía, pois o texto trás que tais fatos aconteciam rotineiramente em grande escala, devido às condições de sobrevivência que eram difíceis e não davam muitas escolhas a mulher na colônia, que geralmente trabalhavam nas lavouras ou como costureiras, lavadeiras e complementavam o orçamento doméstico se prostituindo e muitas vezes colocando suas filhas nesta mesma situação. O filme mostrou como a mulher casada deveria se portar na sociedade colonial, e que até mesmo um simples olhar ou toque não intencional a outro homem poderia acarretar morte ou violência à mulher. A autora a afirma que as mulheres coloniais eram vistas mais como filhas de Eva do que de Maria, e assim a igreja se encarregava de colocar regras religiosas com alto grau de rigidez na tentativa de conseguir manter a obediência e controlar o comportamento feminino. Pregavam a total submissão e inferioridade da mulher, assim faziam com que o casamento fosse um elemento de equilíbrio social e divino em que o marido e a igreja teriam completo poder sobre a mulher. Por fim acredito que o filme “Desmundo” deveria ter mostrado melhor a condição das mulheres trabalhadoras, negras, índias e portuguesas que muitas vezes encontravam no comércio local e regional uma forma digna de sustento, vendendo doces, produtos, plantas medicinais e produzindo para o uso diário panos, sabão, conservas e peças de barros para cozinha. A autora detalha com informações surpreendentes a independência de inúmeras mulheres que conduziam de maneira ativa seus próprios negócios. Entendo que este trabalho contribuiu de maneira muito proveitosa despertando no pesquisador o interesse por outros temas que livros didáticos trazem de forma generalizante e sintética.

#gerarganhos

RECEBA DE GRAÇA nossas notícias em seu e-mail. Deixe seu e-mail no formulário abaixo para receber também... Digite seu e-mail:

Escreva seu e-mail na caixa acima e clique em Assine. Atenção, você receberá um e-mail pedindo que ative a sua inscrição, somente a partir daí sua inscrição será válida, não se esqueça de ativar pois somente após ativar sua inscrição é que receberá nossas atualizações, se não encontrar o e-mail em sua caixa de entrada procure na caixa de spam.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Eduardo Pablo

About Dudararidade

Tecnologia para facilitar a sua vida Um compromisso que surge após a INFOXBOX prestar ajuda aos amigos em comum de novas tecnologias, se tornando assim um ponto de encontro saudável para usuários que desejam ficar por dentro de Notícias e Tecnologias.

GOSTOU DESTE TUTORIAL? Então clique e compartilhe

2 thoughts on “Desmundo: Resenha do filme brasileiro

  1. Pedro Palazzo

    Fiz uma conta com um hotmail antigo que tenho, registrado no Brasil. Troquei o endereço do brasil por um endereço americano.

    Isso vai me dar problema em jogar na live americana?

  2. Oi amigo, se você trocou no site da Xbox.com, bem não tem problema pois segundo a Xbox você pode alterar a live uma vez por ano. se você foi para a live americana só poderá voltar para a brasileira daqui a um ano. Caso eu não tenha entendido sua pergunta queira perguntar novamente. obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>